Vulneráveis nas mãos de Deus

Padrão

Salmos 40.17

“Eu sou pobre e necessitado…”

Ser vulnerável é ser frágil, é estar exposto e sentir-se desprotegido. A vulnerabilidade não é uma característica louvada pela nossa sociedade contemporânea. Valorizamos homens e mulheres que se mostram fortes, determinados, destemidos e seguros.

Todavia, chama-nos a atenção no lindo Salmo 40, que o grande rei Davi, rei de Israel, revelando o íntimo do seu coração e confessando sua vulnerabilidade: “Eu sou pobre e necessitado!!” Certamente Davi não falava da pobreza material, pois como rei, era um homem rico. Certamente ele não falava da pobreza intelectual, pois era um poeta e músico muito competente. Davi falava da pobreza espiritual, de seu coração carente, de sua alma totalmente dependente de Deus. Ele tinha fome e sede de Deus! Davi fez-se um homem vulnerável nas mãos do SENHOR! Por isso foi chamado pelo próprio Deus de “homem segundo o meu coração” (Atos 13.22/1 Sm 13.14). Mas Davi não apenas reconhece a sua vulnerabilidade, mas sobretudo, a grandeza de Deus: “…porém o Senhor cuida de mim; tu és o meu amparo e o meu libertador; não te detenhas, ó Deus meu!”

Somos vulneráveis! Vulneráveis nas mãos de um Deus Todo Poderoso, que nos ampara e protege!

Pastor Marcus Vinícius

DESCENDÊNCIA IMPROVÁVEL É PROVIDÊNCIA

Padrão

“Salmom gerou de Raabe a Boaz; este, de Rute, gerou a Obede; e Obede, a Jessé;” Mateus 1.5

     No texto original, genealogia lê-se “gênesis”, que significa surgimento, origem. O livro de Gênesis narra a criação de todas as coisas, inclusive do primeiro ser humano, e na origem do Novo Testamento mostra-se também um início, e a árvore genealógica do segundo Adão – Jesus, o filho perfeito de Deus, sem manchas e nem resquícios de corrupção.

     Na genealogia de Jesus no capítulo primeiro de Mateus, são citados os nomes de duas mulheres, Raabe e Rute, duas estrangeiras. Elas não pertenciam à nação de Israel, não faziam parte do povo escolhido pelo Senhor. Entretanto, de forma surpreendente e improvável fizeram parte da linhagem do Messias prometido que veio para redimir todas as coisas.

     A palavra para expressar tal fato é Providência. Deus é muito didático na forma como nos ensina através de sua Palavra. Providência é uma disposição prévia dos meios necessários para conclusão de um fim, dentro do Seu plano Eterno. A ação de inserir duas estrangeiras na genealogia de Jesus nos mostra de forma prática como Ele não faz acepção de pessoas, e também o seu cuidado supremo para com os desamparados e sem esperança, que não são vistos pelos outros. Creia no cuidado de um Deus que vê tudo e conhece a todos e ama seus filhos.

Matheus Araujo

“PROVIDÊNCIA CERTA”

Padrão

Vivemos dias em que a nossa confiança em Deus está sendo provada, afinal, dependemos do cuidado dele em todo tempo e circunstância, ainda mais em dias de pandemia. Muitas pessoas estão com a sua renda comprometida ou mesmo sem renda, por exemplo. Todos nós precisamos da providência de Deus em nossas vidas, mas a estabilidade normal faz com que nos esqueçamos disso e hoje temos a oportunidade de nos voltar para essa verdade.

A providência de Deus é certa para todos quantos confiam na sua glória e poder, é certa em relação ao tempo, ao lugar e ao modo. Abra a sua Bíblia e comece a ver a providência de Deus trazendo maná do céu, tornando águas amargas em doces, curando os enfermos, multiplicando pães e peixes, abrindo o mar, transformando água em vinho, abrindo os olhos aos cegos, fazendo andar os paralíticos e tantos outros exemplos que poderíamos citar. Cada um com sua necessidade e para cada um, uma providência certa.

Assim como Deus agiu na vida do seu povo ao longo da história ele agirá também em nossas vidas hoje, trazendo tudo aquilo que precisamos com providência exata e precisa. Por isso, encorajo você a não ficar com medo e nem se espantar, mas confie as suas preocupações nas mãos daquele que realmente tem poder e amor para fazer algo extraordinário e cuidar das suas causas.

Siga confiando na providência de Deus, ele tem providência certa para a sua vida e família!

Pastor Arthur Júnior

MENOS DE MIM, MAIS DE TI

Padrão

“Portanto, como povo escolhido de Deus, santo e amado, revistam-se de profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência.” Cl. 3:12

Um dos maiores argumentos usados durante esse período de quarentena é a seguinte frase: “pense no outro”. Uau, que melhor forma de exercitar a nossa empatia e pensar menos em nós e mais no outro.

Estávamos tão cegos e com sede de conquistas e pensamentos como “eu preciso”, “eu quero”, “eu não tenho tempo”, “tudo eu” que mesmo em uma pandemia foi necessário um apelo como esse, um grito desesperado para que o meu eu diminuísse e a compaixão crescesse. Sim, hoje eu quero falar dessa palavra que precisa estar no nosso dia a dia. Sabe por que? Porque Jesus viveu uma vida de compaixão, suas atitudes eram sempre pensando no outro. A sua morte foi pensando em mim, pensando em você.

Nós precisamos ser cada vez mais parecidos com o nosso criador e a compaixão é um sentimento essencial para essa conquista. Precisamos parar de pensar no nosso ganho e se importar com os nossos familiares, nossos vizinhos, nossos colegas de trabalho, nosso irmão da igreja. Existe uma canção que eu gosto muito que diz assim: “quanto menos de mim, mais de Ti. Que cresça mais e mais a Tua luz e o mundo inteiro possa ver”.

Que o mundo inteiro possa ver um corpo de Cristo que enquanto durarem as calamidades e até a vinda do nosso Salvador o nosso coração estará revestido de compaixão.

Guilherme Calado

MESMO QUE NOS FALTE TUDO, DEUS É O MOTIVO DA NOSSA ALEGRIA.

Padrão

“Mesmo não florescendo a figueira, não havendo uvas nas videiras; mesmo falhando a safra de azeitonas, não havendo produção de alimento nas lavouras, nem ovelhas no curral, nem bois nos estábulos, ainda assim eu exultarei no Senhor e me alegrarei no Deus da minha salvação. O Senhor Soberano é a minha força; ele faz os meus pés como os do cervo; ele me habilita a andar em lugares altos.” (Habacuque 3:17-19)

      Todos os dias, nos deparamos com notícias de tragédias e dificuldades. Além disso, particularmente, podemos enfrentar, em determinado momento de nossas vidas, tempos de crise. Seja uma crise relacionada à família, à vida profissional, a uma enfermidade ou mesmo à perda de um ente querido, o fato é que todos nós estamos sujeitos a enfrentar os dias maus. Dessa maneira, podemos nos perguntar: como enfrentar e vencer esses tempos de crise?

     A oração e a confiança em Deus não permitem que nos entreguemos ao desespero, mas nos concedem esperança no cuidado do Senhor.

Diante da terrível crise enfrentada por Judá, Habacuque não se desespera, não se revolta, não se distancia de Deus e nem se queixa dele. O profeta se aproxima do Senhor, reconhece Seu governo e soberania. Ele ainda declara a sua total dependência, consciente de que Deus, e ninguém mais, poderia intervir e sustentá-lo em meio à crise. Habacuque estava convencido de que, para enfrentar e vencer a crise, era necessário reconhecer Deus como fonte de alegria, o motivo da celebração, a esperança da salvação e a certeza de segurança. Da mesma maneira, para vencermos a crise, é necessário depender de Deus mais do que nunca, pois “se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que edificam; se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela.” (Sl 127:1). Devemos reconhecer, portanto, que sem Cristo, nada podemos fazer, pois ele é quem nos fortalece para que possamos superar e vencer as dificuldades e as crises. Portanto, que ao enfrentarmos as crises, possamos depender do Senhor e confiar que ele continuará cuidando de nós mesmo em momentos tão difíceis!

Pr. Leandro Santos

Viva a Ressurreição!

Padrão

“Cedo de manhã, no primeiro dia da semana,…….. 18 Maria Madalena foi dar a notícia aos discípulos: “Eu vi o Senhor”! E relatou tudo que ele tinha dito”. (João 20:1 e 18- Bíblia: A Mensagem)

Manhã bendita, manhã formosa foi aquela em que a morte e o sepulcro tiveram que devolver a Vida.

Como poderiam resistir ao Autor da Vida?

Manhã bendita, manhã formosa foi aquela em que o nosso Cristo ressuscitou.

A Vida superou e sempre superará o caos e a morte!

Antes de terem os olhos abertos e contemplarem o Senhor Jesus que venceu a morte, João, Maria e os discípulos eram assombrados por algumas tristes e tensas realidades.

Eram assombrados e dominados pelo medo, pela tristeza excessiva e pela incredulidade que gerava cegueira.

Mas o brilho daquela manhã gloriosa abriu os olhos dos seguidores do Cordeiro que venceu.

O brilho da face da vida do Cristo ressurreto inundou os olhos e a vida daqueles seus amigos e amigas de caminhada.

Enxergar o Cristo vivo levou João, Maria e os demais discípulos a provarem de uma nova e verdadeira realidade.

Quando enxergamos o Cristo Vivo somos libertos do medo, recebemos um novo começo e uma nova missão.

  1. Quando enxergamos Jesus, somos libertos do medo.

“E, dizendo isto, lhes mostrou as mãos e o lado. Alegraram-se, portanto, os discípulos ao verem o Senhor” (João 20:20)

O oposto de ter medo não é apenas ter coragem, mas sim alegria.

Uma pessoa que tem a alegria do Senhor tem força para viver.

Neemias disse que a força de Israel não vinha da coragem, mas da alegria do Senhor. (Neemias 8:10)

Quando enxergaram o Cristo vivo, eles foram libertos da tirania do medo e receberam a alegria da ressurreição.

  • Quando enxergamos Jesus, recebemos um novo começo.

E, havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. (João 20:22)

O autor do Livro de Gênesis diz que Deus soprou nas narinas de Adão e Eva e estes se tornaram almas viventes.

Assim como em Gênesis temos aqui um novo começo.

Jesus sopra sobre seus discípulos, concedendo assim o Seu Santo Espírito.

Que graça, que poder, que perdão, que vida!

Recebemos a Vida de Deus!

  • Quando enxergamos Jesus, recebemos uma nova missão.

Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio. (João 20:21)

O Cristo ressurreto deu-lhes a Sua paz e também a Sua missão.

Jesus Cristo o enviado de Deus Pai, nos envia para vivermos com Ele e para Ele.

Todo aquele que crê no Cristo ressurreto, torna-se participante da vida ressurreta.

Todo aquele que crê no Cristo ressurreto, torna-se participante da vida que supera o caos, o medo, a tristeza e a morte.

Todo aquele que crê no Cristo ressurreto, torna-se um pequeno Cristo, que revela com voz e vida o Cristo vivo.

Manhã bendita, manhã formosa, foi aquela que o nosso Cristo ressuscitou.

Aquela manhã foi o início das novas manhãs que mesmo ainda em meio ao caos, a morte e tristezas, nós já provamos desta manhã gloriosa, desta manhã da ressurreição.

Em breve teremos a nossa manhã gloriosa, a nossa manhã da ressurreição.

Viva o Cristo ressurreto!

Viva a ressurreição!

Pr. Rômulo

O NOME DA CURA

Padrão

Jesus andava por todas as cidades e povoados da região, ensinando nas sinagogas, anunciando as boas-novas do reino e curando todo tipo de enfermidade e doença.” Mateus 9.35.

     Cura é uma palavra muito expansiva nos dias de hoje. Com tantas especialidades médicas, tantos tratamentos tradicionais e alternativos e tantos profissionais no mercado, percebemos que a cura é um desejo e uma busca universal. Todos precisam ser curados de algum problema.

Obviamente, a cura também é uma palavra muito explorada nas igrejas, de forma séria ou duvidosa, com sabedoria ou charlatanismo.

     A Bíblia nos conta que o ministério de Jesus contava com o ensino, a pregação do Evangelho e as curas e milagres. Muitas pessoas supervalorizam as curas, sem entender que elas tinham um motivo para acontecer. Jesus curava para atestar sua divindade. Ele, sendo o próprio Deus, precisava mostrar àquelas pessoas que não era um simples profeta e mestre, mas o Messias prometido, aquele que veio para curar não somente a saúde física, e sim a saúde espiritual! Suas curas dissociadas de Seu ensino não fariam sentido.

     Jesus é o nome da cura, pois Ele, ainda hoje, nos cura sim das doenças, mas faz o mesmo em relação à tristeza, à melancolia, à falta de fé, ao medo, à ansiedade e ao nosso pecado. A cura física pode ser realizada pelos profissionais da saúde, e é realizada pois Deus os capacita e dá inteligência. Mas a cura espiritual, aquela que nos tira do poço fundo do pecado e nos traz à luz, só ocorre pelo nome de Jesus!

     Neste tempo de isolamento, aproveite para colocar diante de Deus todas as partes da sua vida que precisam de cura. Ele tem o poder para realizar grandes curas em sua saúde física, mas a maior cura Ele já realizou em seu coração!

Bruna Campos Araujo

JESUS, O NOME DA GRAÇA

Padrão

“…onde estão aqueles teus acusadores?” (Jo 8.10)

    A passagem de João 8.1-11 é normalmente conhecida pela figura da mulher adúltera, e isso é natural do ser humano. Nossos olhos parecem estar treinados, programados para verem o pecado e logo proferirmos o nosso julgamento.

    Porém, o pecado dela e sua consequente acusação expressa uma lei que está incutida na humanidade – que é o senso de justiça. Todo ser humano, com suas faculdades mentais em perfeito estado, tem um mínimo desse senso, e isso foi “colocado no nosso DNA” pelo nosso Criador, que é um Deus justo.

    Foi por causa desse senso de justiça que, aqueles que estavam com pedras nas mãos se retiraram após Jesus dizer: “Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra” (Jo 8.7). Jesus foi aquele que não teve pecado, e por isso poderia julgar, mas escolheu perdoar.

    A graça alcançou aquela mulher, assim como a nós. Os pecados dela e os nossos já não podem nos condenar, pois Jesus assumiu a culpa por nós. Isaías disse que “…ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele” (Is 53.5). A justiça foi satisfeita em Jesus.

    “Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus” (2Co 5.21). Isso é graça!

    A história da “mulher adúltera” pode ter um outro nome: a mulher alcançada pela graça; assim também como a sua e a minha história. Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. “Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais” (Jo 8.11).

Pr. Guilherme

O NOME DA ALEGRIA

Padrão

Alegrem-se sempre no Senhor. Novamente direi: Alegrem-se

Filipenses 4.4

     Existe uma alegria à disposição dos filhos de Deus. Na verdade, é vontade do Senhor que a experimentemos, e por isso Ele nos diz em Sua Palavra: Alegrem-se!

     De onde vem sua alegria? Você precisa receber boas notícias para experimentá-la? Situações desafiadoras a roubam de você? Deus é a fonte da verdadeira e eterna alegria, como o salmista declara no Salmo 16.11 “Tu me farás conhecer a vereda da vida, a alegria plena da tua presença, eterno prazer à tua direita”.

     Jesus viveu uma vida de alegria e ele é o nosso modelo. Os Evangelhos nos mostram que Sua vida não foi fácil! Ele não possuía renda fixa nem moradia certa, foi traído, rejeitado e atacado diversas vezes. Qual era o segredo de sua alegria, então?

     Jesus tinha a sua alegria no Senhor. Ele mantinha plena comunhão com o Pai, vivia cheio do Espírito Santo e cumpria a missão que recebeu. Esse estilo de vida era a base de sua alegria e é assim que o Senhor nos convida a viver também. Jesus decidiu vir e morrer em nosso lugar para nos garantir acesso à fonte da Alegria que é a presença de Deus e Hebreus 12.2 nos diz que Ele sabia que esse sofrimento lhe traria grande alegria também.

     Pare de buscar alegria em coisas, pessoas ou circunstâncias e clame o nome da Alegria, Jesus, o único caminho para a presença do nosso Deus.

Pr. Marco Aurélio

APRENDENDO A PEDIR SOCORRO

Padrão

Isaías 58.9

“então, clamarás, e o SENHOR te responderá; gritarás por socorro, e ele dirá: Eis-me aqui.”

     Pedir socorro é uma das atitudes humanas mais naturais numa situação de emergência. Diante de um acidente grave de trânsito, da violência urbana ou de um feminicídio, por exemplo, acionamos os serviços de socorro: 192, 190 e 180 respectivamente, sem hesitar.

     Todavia, quando o assunto é o perigo que ronda a nossa vida espiritual nem sempre temos a mesma prontidão. Não clamamos ao SENHOR por socorro, ou procuramos o alívio e o descanso nas coisas ou pessoas erradas!

     Precisamos nos lembrar que vivemos num mundo extremamente perigoso para a vida espiritual! Principalmente o perigo da tentação, na qual o diabo distorce o propósito das coisas boas que Deus criou para a existência humana, a fim de abalar a nossa fé, o nosso relacionamento com Ele e a nossa identidade de filhos amados. Constantemente somos assediados pela cultura, diabo e os nossos desejos pecaminosos. A boa notícia é que podemos pedir socorro ao SENHOR, na certeza de que seremos ouvidos e atendidos!

     Que o SENHOR nos dê sobriedade para discernirmos as tentações, humildade para reconhecer que precisamos da ajuda do Alto, e coragem para gritar por socorro, para, então, ouvirmos do nosso Pai: “Eis-me aqui!!”

Pastor Marcus Vinícius